segunda-feira, 19 de outubro de 2009

busco-te

Busco-te na imensidão do olhar
Até onde a alma é capaz
Esquiva, repentina, desmanchada
Desgarrada qual nuvem fugaz

Busco-te pela porta inoportuna
Gemendo na sombra desvairada
És lírio, encanto dos meus versos
Beleza de uma noite enluarada

Busco-te querido, lâmpada única
Que brilha diante essa adversidade
Deste meu vale obscuro

Busco-te no horizonte frio
Não me importo se você me torture
Ainda assim o meu ser te procura

Nenhum comentário:

Postar um comentário